Notícias

Postado em: 16/08/2016 - 14:52
Por Cetilá Itas

O evento faz parte do movimento Vidas Negras Importam, iniciativa do Projeto Itinerante Proxima Parada


Fotografia: 
Rodrigo Morais

 

Com o objetivo de ressignificar o olhar da sociedade sobre a importância da vida, principalmente das vidas negras ceifadas em nome do mito da igualdade racial, acontece na próxima sexta-feira (19), das 14h às 18h, a II Intervenção Vidas Negras Importam, dentro do Projeto Itinerante Próxima Parada. A ação acontecerá na Praça Marechal Deodoro (Praça das Mãos), no Comércio, e será aberta a participação de todos os interessados, aproveitando este espaço público, de Salvador, onde há concentração de pessoas em situação de rua.

Segundo relatório divulgado pela Coordenadoria Geral dos Direitos da População de Rua, ligada ao Ministério do Desenvolvimento, a capital baiana é a terceira cidade no Brasil com maior número de moradores em situação de rua, mais de 3 mil pessoas. Por isso, o encontro acontecerá no Dia Nacional da População em Situação de Rua, visando democratizar o acesso ao livro, a leitura, escrita e arte para sujeitos historicamente excluídos de acessos e/ou em situação de vulnerabilidade. 

A proposta é atuar em espaços urbanos para reduzir o uso abusivo de álcool e outras drogas, romper paradigmas acerca da afetividade nas relações na rua e com a rua, ressignificando as emoções das pessoas envolvidas. A I Intervenção Vidas Negras Importam aconteceu no dia 27 de novembro de 2015, no Terminal de Ônibus do Aquidabã, localizado no Centro Histórico, integrando diversos sujeitos da sociedade civil, artistas, educadores e ativistas de diversos movimentos sociais, pessoas em situação de rua e transeuntes.  Desde então, o projeto já realizou ações de Prevenção do Uso e Abuso de Substâncias Psicoativas em escolas públicas e ONGs, já montou instalações interativas em diversas ocupações artísticas e, no último dia 05, compôs a programação das atividades da ‘Frigideira Cultural’, a convite do Museu Udo Knoff.

Agora, com a II Intervenção Vidas Negras Importam, a proposta é ampliar as ações nas áreas de saúde, cultura e educação, com a aproximação dos sujeitos em situação de rua de suas próprias leituras sobre suas condições enquanto cidadãos. O evento visa promover o respeito aos modos de vida, a atenção individualizada e busca compreender as formas de mobilização e aproximação dos diferentes grupos sociais, para incentivar a construção da cidadania e a inclusão social através de atividades educativas e culturais, as quais contam com o apoio de uma equipe de voluntários que realizará levantamentos diagnósticos junto a esta população, a fim de conhecer as demandas e os tipos violação de direitos a que estão expostos.

A programação inclui montagem de instalações de incentivo a leitura e escrita, Redução de Danos (RD) com práticas de prevenção do uso abusivo de álcool e outras drogas, Prevenção de DST’s e AIDS através de palestras e distribuição de preservativos e a instalação “Mulheres Negras em Ação”, direcionada a mulheres, população trans e LGBT. Serão também realizadas apresentações poéticas, performances, bate-papos, música, grafite, contação de história e oficina de confecção de bonecos de jornal. 

A intervenção também faz parte da programação do Julho das Pretas, agenda criada pelo Instituto Odara da Mulher Negra, em celebração ao Dia Internacional da Mulher Negra Afro Latina-americana e Caribenha, com o objetivo de integrar organizações e movimentos de Mulheres Negras da Bahia e da região Nordeste. Conta também com a parceria do Instituto Josefa Santana, com o apoio da CESE (Coordenadoria Ecumênica em Serviço) e de diversos sujeitos da sociedade civil.

Vidas Negras Importam - é um chamado a reflexão sobre vidas negras e sua importância, pautando as identidades dos sujeitos sociais. Assim, quando se pensa que Vidas Negras Importam, destaca-se que “Mulheres Negras Importam”, “Homens e Mulheres trans negros e negras Importam”, “Crianças e Jovens  negros Importam”, “Idosos negros Importam”, “População negra em situação de rua importa”, “Comunidades negras tradicionais importam”,  “População carcerária negra importa”, Pessoas negras com deficiência importam “Gays e lésbicas negros e negras importam”, “Profissionais do sexo negras importam” e demais grupos de negros que estão a margem e que são vitimados pela intolerância e reproduções de ódio ao diferente, prática racista, homofóbica e sexista. É inspirado no Movimento Americano “Black Lives Matter”,   agregando diferentes linguagens e levando os sujeitos a protagonizarem suas histórias e novas histórias na rua, dialogando entre pares sobre a necessidade de nos importarmos com a outra pessoa, mesmo que seja diferente, mas que traz em si as marcas de ser uma vida negra na sociedade.

 

Quando: 19-08-2016 (sexta-feira)
Horário: 14h às 18h
Onde: Praça Marechal Deodoro (Praça das Mãos) – Comércio
Valor: Gratuito – aberto ao público
Informações: https://www.facebook.com/vidasnegrasimportam

Ficha Técnica

Realização: Vidas Negras Importam Brasil/Salvador
Idealização, produção e organização: Cetilá Itas
Imagens: Rodrigo Morais (https://drive.google.com/folderview?id=0B8iOQK0ZwsYSUmdzUmVzQmVQSUE&usp=sharing)
Consultoria: Daphne Soares
Parceiros e apoio: Instituto Josefa Santa , Instituto Odara da Mulher Negra e apoio da CESE (Coordenadoria Ecumênica em Serviço)
Agradecimentos: membros parceiros da sociedade civil, voluntários e todos os participantes em situação de rua

 

Postado em 29/06/2016 - 16:31
Por Renata Pimentel
Postado em 22/06/2016 - 13:46
Por Luana Malheiro

Diante da violência generalizada, encarceramento em massa da juventude e da criminalização da pobreza no Brasil, a proibição da produção, comércio e consumo de algumas substâncias psicoativas tornadas ilícitas já não se sustenta mais. Os danos sociais provocados pelo modelo proibicionista fizeram emergir uma outra visão sobre os reais riscos que essas substâncias causam: a própria criminalização das drogas.

Postado em 16/06/2016 - 14:34
Por Dr. Antonio Nery Filho

07 de junho de 2016

Postado em 08/06/2016 - 11:53
Por Leon Garcia

07 de junho de 2016

Postado em 01/06/2016 - 16:16

O Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas\CETAD, Serviço Especializado da Faculdade de Medicina\FMB da Universidade Federal da Bahia\UFBA em parceria com o Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva\NESC da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, financiado pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas\SENAD\MJ, com apoio do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte/MP-RN e do Governo do Estado do Rio Grande do Norte/RN, torna público que estará aberta, no período de 0

Postado em 30/05/2016 - 14:20

Em Salvador, no dia 19 de maio, foi realizada uma Sessão Especial na Câmara de Vereadores pela vereadora Aladilce e pelo Coletivo Baiano da Luta Antimanicomial, visando discutir sobre a situação da saúde mental em Salvador.

Postado em 30/05/2016 - 14:18

Audiência sobre “Saúde Mental de Crianças e Adolescentes” é realizada no Ministério Público, no dia 11 de maio. Na mesa de abertura, estavam presentes Carlos Martheo (Promotor de Justiça), Ivan Araújo (PA Psiquiátrico), Tereza Costa (coordenadora de saúde mental do município), Vládia Jucá (professora do Instituto de Psicologia da UFBA), Sueli Lobo (psicóloga do CAPSia Rio Vermelho) e Marcos Antonio (presidente do Conselho Municipal de Saúde).

Postado em 25/05/2016 - 09:42
Por Mainara Freire e Tatiana Rebello

Entrevista com Fabiano Cunha, Cientista Social pela Universidade Federal da Bahia e militante do movimento antiproibicionista, sobre o movimento social da Marcha da Maconha.

Quando e onde a Marcha começou a acontecer?